Poema “Vou-me embora pra Pasárgada” – Manuel Bandeira

Esses tempos de fuga da realidade, que inspiram outras fugas, para outros lugares, nos traz à lembrança o genial poema de Manuel Bandeira.

Além do poema, completo, abaixo, compartilhamos o link da página Cultura Genial, na internet.

Além de fazer uma análise dos versos de Pasárgada e salientar aspectos da vida e da obra de Manuel Bandeira, eesa página destaca duas versões musicadas do poema, com interpretações da cantora Olivia Hime e do cantor Paulo Diniz.

O trabalho é assinado por Carolina Marcello, mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes (2014) e licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos (2011) pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Leia o poema e clique no link abaixo, para navegar pelo trabalho de Manuel Bandeira.

https://www.culturagenial.com/poema-vou-me-embora-pra-pasargada-de-manuel-bandeira/

 

Pasárgada – Poema completo

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe – d’água.
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
– Lá sou amigo do rei –
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.